Invista

Assine nosso boletim de notícias

Abuso sexual infantil aumenta com o uso da Internet na Ásia

Autoridades afirmam que o aumento do uso da internet no sudeste asiático está alimentando a disseminação de material que é abusivo e sexualmente explorador de crianças. A disponibilidade regional da internet é de cerca de 50%, revelou um estudo recente, mas a cifra sobe para 58% nas Filipinas, enquanto na Tailândia o problema está crescendo, e atinge 67%.

"Você verá que isso só aumentará", disse Jon Rouse, membro da Taskforce Argos, uma unidade da polícia australiana que visa redes de abuso sexual infantil em atividade.

"O grande problema que estamos vendo no momento é a proliferação de material produzido por crianças. Estão nos matando”, acrescentou Rouse, referindo-se a crianças que se alimentam, seja por instigação de um agressor sexual ou de um amigo. "Esse material então é usado por agressores sexuais contra eles".

Em um cheque de sete dias em Banguecoque, mais de 3.600 endereços individuais da internet foram identificados compartilhando material de exploração infantil, disse Rouse.

O problema nas Filipinas

Em 2016, a agência das Nações Unidas para crianças disse que famílias pobres nas Filipinas estavam empurrando seus filhos para fazer sexo ao vivo online para pedófilos ao redor do mundo, em forma de escravidão infantil.

Um relatório do Plan International Philippines revelou que o modo de vida em redes é o novo fenômeno da exploração sexual comercial de crianças. "A exploração sexual comercial e online das crianças tornou-se uma epidemia social nas Filipinas... Temos acesso fácil e barato à Internet", disse ele ao lançar o relatório intitulado "Crianças e comércio sexual na era digital".

O Brien disse que a pobreza permaneceu o "principal motor para a entrada (das crianças) na indústria do sexo. A proficiência dos filipinos na língua inglesa, disse ele, também contribuiu para o problema".

"O inglês é amplamente falado nas Filipinas para que as crianças possam satisfazer demandas em todo o mundo. O estigma e o medo associados à exploração sexual também estão presentes. Esses fatores estão se unindo para criar uma tempestade perfeita”, conclui ele.

Fonte: Asian Correspondent