Mãe de menina nigeriana sequestrada faz apelo aos cristãos

A mãe de uma estudante cristã nigeriana que foi sequestrada pelo grupo radical islâmico Boko Haram disse que está orgulhosa de sua filha por não renunciar Jesus, enquanto um colega de classe compartilha esperanças de que Deus possa usá-la para converter seus agressores.

"Eu estou tão orgulhosa da minha Leah porque ela não renunciou a Cristo", disse a mãe, Rebecca Sharibu, sobre sua filha de 15 anos, Leah, em um artigo postado pela Open Doors USA  na semana passada.

"E por causa disso, eu sei que Deus nunca a abandonará. Quando ela foi para a escola, eu dei a ela uma cópia da Bíblia para que ela pudesse fazer seu devocional mesmo quando eu não estivesse lá. Como sua mãe, eu a conheço e sei que ela é uma filha obediente, respeitosa e alguém que coloca os outros antes de si".

Coragem inspiradora

Leah foi uma das mais de 100 alunas sequestradas de uma escola secundária na cidade de Dapchi durante um ataque do Boko Haram em fevereiro. Enquanto todas as outras alunas foram libertadas, ela continua a ser a única estudante ainda em cativeiro. Além disso, surgiram testemunhos relatando que eles ofereçam libertar Leah se ela renunciasse sua fé, mas ela se recusou a fazê-lo.

Sharibu relembrou seu terror na noite do ataque quando descobriu que sua filha havia sido levada, mas disse que está encontrando coragem nas orações de cristãos de todo o mundo."Eu sei que os cristãos não se cansam de orar por ela - até ela voltar. Desejo que todos continuem orando pela minha filha", disse a mãe”.

"Meu coração está pesado, mas alegre porque minha Lia se recusou a renunciar a Cristo, assim como aprendemos em nossa igreja: “permanecendo alegre no sofrimento”. Meu encorajamento é este: eu sei que mesmo que Leah esteja morta, ela está com o Senhor”.

Exemplo de caráter

Affodia Andrawus, uma colega cristã de 19 anos de Leah, que testemunhou o ataque em primeira mão, mas conseguiu escapar, disse que tem fé que Deus usará sua amiga para um propósito maior.

"Acredito que Deus permitiu que Leah fosse a única cristã que foi levada por uma razão - para que através dela, o mundo e até mesmo seus sequestradores pudessem conhecer a Cristo. Leah espalhou o Evangelho para todo o mundo", disse ela. Andrawus também atestou o forte caráter de Leah.

"Não importa o quanto Leah seja maltratada ou insultada por outros estudantes, ela nunca revidava. Em vez disso, Leah procurava uma maneira de fazer as pazes com todos", ela compartilhou.

"Se alguém está doente entre os cristãos, Leah é sempre a primeira a ir orar por essa pessoa", disse Affodia. "Sua vida é realmente um exemplo para todos seguirem."

O ataque

Andrawus relembrou o ataque à Escola de Meninas do Governo em 19 de fevereiro, observando que os estudantes estavam sentados para comer depois do tempo de estudo, quando soaram tiros.

"Nós estávamos tentando nos organizar quando ouvimos mais tiros, e desta vez uma bala caiu na frente do albergue onde estávamos. Os tiros aumentaram muito, então nós (cristãos) decidimos dar as mãos e fugir. Nós sabíamos que nós seríamos o alvo”, disse ela.

A estudante contou como as meninas acabaram, mas muitas delas foram apanhadas pelos militantes, incluindo Leah, que foram jogadas dentro de um caminhão do Boko Haram.

"O resto de nós pulou a cerca e continuou correndo. Corremos para um arbusto espesso atrás de nossa escola e nos escondemos lá naquela noite", disse ela.

Os principais líderes cristãos, incluindo o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, trouxeram o destino de Leah em reuniões diretas com o presidente nigeriano, Muhammadu Buhari.

"Pedi ao presidente que fizesse todo o possível para garantir sua libertação", observou Welby sobre seu encontro com Buhari em abril.

Fonte: The Christian Post

Compartilhe