República de Camarões: tradutor da Bíblia brutalmente assassinado

Um tradutor da Bíblia foi morto, casas de cristãos foram incendiadas e houve perturbações nos projetos de tradução da Bíblia em Camarões, que recentemente foi assolada pela violência generalizada em confrontos entre as populações de língua francesa e inglesa.

Bruce Smith, presidente e CEO da Wycliffe Associates, disse à Mission Network News na semana passada que pelo menos um tradutor local, chamado Anka Terence, foi morto por soldados na região de Ngwo no dia 23 de maio.

"Tem havido um número de pessoas que tiveram suas casas queimadas", disse Smith. "Eles tiveram que fugir para o mato. O problema é que a violência parece continuar a aumentar sem fim. Estamos preocupados, naturalmente, com o povo do país, mas também com o progresso da tradução da Bíblia".

Ele acrescentou que vários dos 85 projetos de tradução da Bíblia que estão ocorrendo em Camarões tiveram que ser suspensos, já que a violência piorou nos últimos meses, nos 17 projetos localizados na perigosa região oeste do país.

"Tem ocorrido perturbações em todos os de projetos de tradução da Bíblia. Embora esteja afetando apenas 20% deles, 20% é um número muito grande quando são seus irmãos e irmãs em Cristo", disse Smith.

Fogo cruzado

A Anistia Internacional informou separadamente que os falantes de inglês no país foram atacados pelos militares separatistas armados. O grupo de direitos humanos compartilhou que vítimas estavam sendo espancadas e eletrocutadas por soldados.

A crise tem crescido a partir das queixas de longa data que as províncias anglófonas do país, que compõem cerca de 20% da população, têm com o governo central francófono.

Até agora, mais de 160 mil pessoas foram deslocadas pela violência, com cerca de 21 mil tendo que fugir como refugiados para a Nigéria.

Wycliffe Associated esclareceu que não é tanto uma guerra religiosa e que a Igreja não foi especificamente alvo, mas os cristãos ainda estão presos no fogo cruzado.

"Infelizmente, como os líderes da Igreja tentaram mediar esse desacordo entre diferentes partes do país, eles também foram alvejados em ações judiciais pelo governo e basicamente intimidados a fim de recuarem para que não continuassem a influenciar o processo". Smith disse.

Segurança para tradutores

Ele explicou que seu grupo tem tentado ajudar outros parceiros de tradução da Bíblia que desapareceram.

"Estamos tentando, em primeiro lugar, garantir a segurança das pessoas, os tradutores que fazem parte das equipes que foram expulsas de suas casas. A maioria deles perdeu seus campos, eles perderam seus rebanhos, seus animais, coisas assim, bem como suas casas físicas”, continuou ele.

"Eles basicamente sobrevivem caçando e se reunindo no mato. Então, estamos tentando localizá-los, estamos tentando levá-los a lugares seguros, tentando ajudá-los a reconsiderar a retomada do trabalho de tradução da Bíblia, mas eles terão que passar por algum acompanhamento que os ajude a superar o trauma para retomar as traduções".

A Wycliffe Associates lançou projetos em alguns dos lugares mais perigosos da África, incluindo recentemente na República Democrática do Congo, onde as pessoas viram formas chocantes de violência.

Fonte: The Christian Post

Compartilhe