Migrantes atraem 1.400 holandesas menores de idade para a escravidão sexual

Reportagens na Holanda alertam que a cada ano quase 1.400 garotas menores de idade são tratadas e seduzidas pela escravidão sexual por homens de origem imigrante.

"Esses homens são em sua maioria marroquinos, turcos, caribenhos e ciganos. A maior parte deles tem origem migrante", disse Gideon van Aartsen, da organização Watch Watch Nederland, que monitora a exploração sexual infantil em parceria com a polícia.

A reportagem do jornal holandês Algemeen Dagblad  de domingo, traduzida pela Breitbart London, explica que as garotas menores de idade são frequentemente seduzidas por drogas, álcool e presentes para se tornarem parceiras sexuais dos chamados "garotos amantes", que então as chantageiam e as levam para a prostituição.

Van Aartsen explicou que tais homens podem ganhar "até 800 euros por dia com uma garota", que são vendidos para sexo, e disseram que a maioria deles também está envolvida em drogas ilegais e tráfico de armas.

Outros crimes envolvidos

Marijke van Overveld e Esmee Huijps, especialistas em tráfico humano da polícia, observaram que cerca de 1.400 meninas holandesas são apanhadas no comércio sexual todos os anos, o que é consistente com as estatísticas anteriores relatadas  pelo repórter nacional sobre tráfico e violência sexual.

Como o DutchNews  observou em outubro de 2017, mais de 6.000 pessoas são vítimas de tráfico humano a cada ano nos Países Baixos, sendo que 1.320 são meninas menores de idade.

O relatório, que foi realizado em conjunto com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, descobriu que 46% dos casos vieram de dentro do comércio sexual na Holanda, enquanto outros 21% vieram do tráfico na fronteira para a indústria do sexo.

A relatora holandesa Corinne Dettmeijer-Vermeulen disse que, apesar do alto índice de vítimas reais do tráfico sexual, os casos reportados à polícia caíram 17% em 2016.

"Estou extremamente preocupado com a queda nos relatórios", disse ela na época.

"O tráfico humano não está em declínio. Agora sabemos que o número de vítimas é de cerca de 6.250 por ano e isso significa que um número crescente de casos está fora do radar."

Um negócio fácil

Os defensores do tráfico sexual, como Kim Biddle, fundador da Saving Innocence, alertaram que as nações ocidentais não podem ser complacentes quando lidam com a exploração de jovens vítimas.

"O maior problema dentro dos Estados Unidos ou da Europa é que acreditamos que o pior disso está acontecendo". Enquanto isso acontece no exterior, esse crime é motivado por dinheiro e demanda.

Criminosos dentro da Europa e os Estados Unidos não precisam "importar" bens humanos quando há uma grande oferta de crianças vulneráveis ​​dentro de nossos sistemas de adoção para explorar, disse Biddle ao The Christian Post em janeiro.

"Nossos traficantes afirmam que essas pessoas são presas fáceis, porque estão desesperados por amor, companheirismo, um lugar para pertencer e, quando desaparecem, ninguém sai à procura deles".

Fonte: The Christian Post

Compartilhe