Oficiais chineses prendem pastor durante o culto e exigem fim da igreja

Cerca de trinta funcionários do governo chinês invadiram uma igreja cristã em Guangzhou, Guangdong, e multaram a igreja alegando que estava funcionando ilegalmente, disse o pastor que foi preso durante seu sermão.

"Os funcionários do governo invadiram a Igreja Reformada Bíblica enquanto eu estava ministrando o sermão e nos pediu para parar de nos reunir. Eles também ordenaram que enviássemos nossos documentos de identidade", disse o pastor Huang Xiaoning à ChinaAid , descrevendo o incidente de 10 de junho.

Huang e três outros cristãos foram levados pela polícia e interrogados por horas, depois a igreja foi multada em um equivalente a US $ 7.685,45 por realizar atividades religiosas.

As autoridades comunistas estão argumentando que o edifício usado para o culto violou o artigo 41 do Regulamento sobre Assuntos Religiosos, ou seja, que não foi registrado no estado.

O pastor prometeu lutar contra a multa e a repressão contra a sua igreja, dizendo que vai tomar medidas legais "para se tornar testemunha em nome de Deus". "Sou pastor há quase 20 anos", explicou Huang.

"Nunca temi a prisão"

"Eu não tenho um carro ou uma casa. Eu não devo nada. Há um tempo as pessoas me perguntaram: 'Pastor Huang, você não tem medo de ser multado?' Respondi: “Não, eu não tenho dinheiro para ser confiscado”. Eles também perguntaram: "Você não tem medo de ser preso? " Eu disse que nunca temi a prisão, já que nunca tive medo da morte ”.

O pastor da Igreja Reformada da Bíblia revelou que durante anos as autoridades comunistas têm pressionado sua igreja a se unir à rede de Três Igrejas aprovadas pelo estado, mas ele insistiu em sua independência.

Pastores e fiéis cristãos são regularmente presos em toda a China durante os ataques do governo, principalmente as igrejas clandestinas, que são as mais visadas.

Em maio, um pastor foi detido e 200 cristãos foram levados pelas autoridades durante a tentativa de realizar um culto de adoração em Chengdu, na China, em memória as 70.000 pessoas que morreram durante o terremoto de 2008 em Sichuan.

Outros pastores, como o pastor Yang Hua, da Igreja Pedra Viva, que foi libertado no início deste mês, sofreram tortura e dizem que foram presos por anos.

Fonte: The Christian Post

Compartilhe