Mais de 200 cristãos nigerianos foram massacrados em ataques radicais no final de semana

Mais de 200 cristãos, foram massacradas durante três dias na Nigéria no último fim de semana, disseram autoridades e fontes da igreja, enquanto o derramamento de sangue implacável pelos radicais continua.

A Associação Cristã da Nigéria disse  na quarta-feira que o atual número de mortos no Cinturão do Meio do país, baseado em ataques que começaram na última quinta-feira e continuaram até domingo, está em 218. A Portas Abertas dos EUA  disse que seus parceiros no terreno também relataram mais de 200 baixas.

Os assassinatos são resultado de confrontos entre os lideres radicais muçulmanos Fulani e agricultores locais próximos à cidade de Jos, muitos dos quais são cristãos, embora as autoridades ainda não tenham identificado quantas vítimas pertencem a cada grupo.

Organizações representando os Fulani negaram que sejam responsáveis ​​pelos ataques, informou a AFP , embora a polícia diga que eles são os culpados.

Cristãos sem proteção

O governador do Estado do Planalto, Simon Lalong, revelou que "armas sofisticadas" foram usadas nos mais recentes ataques a terras agrícolas, que segundo ele "refletem uma invasão terrorista".

"Isso (o derramamento de sangue) exige, portanto, uma resposta justificada como a que foi feita para enfrentar a insurgência do Boko Haram", disse ele, referindo-se ao notório grupo terrorista que vem realizando ataques desde 2009.

A CAN e outros organismos cristãos na Nigéria continuaram a acusar a administração do presidente Muhammadu Buhari de não proteger os cristãos, já que centenas e centenas de seguidores de Cristo foram assassinados este ano. Buhari, que é de origem Fulani, continuou a defender-se apesar do último massacre.

"É digno de nota que muitos nigerianos ainda reconhecem que, apesar dos desafios de segurança, este governo obteve notáveis ​​sucessos no setor de segurança", disse Buhari.

Ele também insistiu que ele não deveria ser culpado pelos ataques apenas porque ele "parece um deles". "Há alguma injustiça nessas aspersões", disse o presidente.

À beira da extinção

Na semana passada, Bosun Emmanuel, secretário do Fórum Nacional dos Idosos Cristãos, advertiu em uma conferência em Lagos que, a menos que os massacres sejam interrompidos, a Nigéria poderá perder sua população cristã, que representa quase metade do país, até 2043.

"Realisticamente falando, o cristianismo está à beira da extinção na Nigéria. A ascendência da ideologia da Sharia na Nigéria soa o número de mortos para a Igreja nigeriana", disse Emmanuel.

"Hoje em 2018, podemos dizer que daqui a 25 anos, estaremos enfrentando o risco de sermos os últimos cristãos na Nigéria. Portanto, os cristãos devem estar na linha de frente da defesa da democracia na Nigéria", acrescentou.

O Índice Global de Terrorismo mostra que entre 2012 e 2016, extremistas Fulani mataram mais de 2.500 pessoas na Nigéria. Os ataques aumentaram significativamente em 2017 e 2018.

Fonte: The Christian Post
 
 

Compartilhe